Mais da metade dos MEIs cadastrados em 2018 já exerciam a atividade antes da formalização

Compartilhar

Mesmo com franca expansão nos últimos anos, a regularização de trabalhos informais ainda é visto como algo complexo e burocrático. Esse cenário é desmistificado com a possibilidade de se tornar microempreendedor individual (MEI) de forma simples e rápida e de regularizar o seu negócio e ter acesso aos benefícios do programa. Prova dessa oportunidade é um dado da MEI Fácil, em pesquisa realizada em todo o Brasil, que aponta que 58% dos empreendedores que se tornaram MEI recentemente já exerciam suas atividades antes de criarem seu próprio CNPJ.

De acordo com levantamento feito pela startup MEI Fácil em todo o país, cerca de 58% dos novos microempreendedores individuais já trabalhavam sem regularização

Para o CEO da MEI Fácil, Marcelo Moraes, informar a eficácia de se tornar um MEI para os trabalhadores informais é uma tarefa que vem alcançando resultados. “O pequeno empreendedor e autônomo começam a entender que a formalização vai muito além de ter um CNPJ. Um microempreendedor formalizado chega a faturar o dobro de um colega da mesma profissão, mas que não possui um CNPJ. Isso sem falar nos descontos para compra de mercadorias. Ver o aumento sistemático de cadastros na plataforma, além de animador, é recompensador”, afirma.

Só no primeiro semestre de 2018, mais de 1 milhão de novos CNPJs foram criados no modelo, crescimento de 15% comparado ao mesmo período de 2017. Mas ainda há mais de 23 milhões de trabalhadores por conta própria que atuam na informalidade. Portanto, a chance dessa estatística aumentar, a partir desse nicho, é bem grande.

Essa característica pode ser notada principalmente no Nordeste, onde 63% dos MEIs informaram já exercer sua atividade de trabalho antes se regulamentarem com o novo CNPJ. Pernambuco e Sergipe, com 65% e 63%, respectivamente, destacam-se como os estados em que mais pessoas realizavam o mesmo serviço antes da regularização.

“A partir do momento em que esses empreendedores entendem que emitir uma nota fiscal, contribuir para o INSS, oferecer novas formas de pagamento, entre outros, são benefícios essenciais para o seu negócio, é difícil que não recorrem ao cadastro. Mais de 75% deles apontam que passaram a vender mais após se tornarem MEI. E na MEI Fácil nós queremos justamente isso, ajudar a cada vez mais trabalhadores poderem exercer suas atividades regularizados e crescerem seus negócios”, diz Rodrigo Salem, sócio-fundador da MEI Fácil.

 Sobre a MEI Fácil

A MEI Fácil foi fundada em janeiro de 2017 com o objetivo de ser a grande parceira do microempreendedor individual. A empresa já atende mais de 200 mil empreendedores, em mais de 4,5 mil cidades, e oferece auxílio em processos como a obtenção de CNPJ, notas fiscais, além de serviços financeiros simplificados e de baixo custo. Ela foi recentemente premiada pela Universidade de Columbia, nos EUA, como referência global em negócios de impacto, primeira vez que uma startup da América Latina ganha o prêmio

A empresa já captou mais de R$1 milhão, sendo a última rodada feita junto ao fundo de investimentos Yellow Ventures em 2017. O grupo já se prepara para uma nova rodada para 2018: “O crescimento que superou todas nossas expectativas. Hoje, 40% dos nossos clientes vêm por indicação, o que cria um efeito multiplicador em nossa base de relacionamento. Queremos, no futuro, expandir a oferta de serviços e produtos, sem perder em mente a questão da simplicidade” finaliza Marcelo.

 

Deixe um comentário